quarta-feira, agosto 23, 2006

O ridículo não mata mesmo

A Câmara de Coimbra decidiu pôr uns sinais de trânsito para tentar impedir a co-incineração em Souselas. Coitado do Encarnação. É mesmo ridículo. E continua de boa saúde. Mas desta vez vai mesmo haver co-incineração. O Guterres anda por longe. Para mal dos resíduos industriais perigosos.

11 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Só um ridiculo atrasado mental com a mania que é importante é que colocaria um post destes.
limita-se a dar sentenças sem conhecer as realidades

1:54 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

dê um saltinho a http://opiolhodasolum.blogspot.com

Aí tem um verdadeiro comentário à falta de sanidade mental que demonstra!

2:28 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Coitado... do ARF claro!!!

Se ainda não foi ao blog opiolhodasolum, aconselho-o a ir.
Não o conhecia mas subscrevo aquele post em todo o seu conteúdo.
Vocês, cada vez mais, vêem o país como esse bocado acantonado, ainda não repararam na qualidade de vida que têm vindo a perder.

Jorge Sousa

3:16 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Pois é, o Carlos Encarnação está a fazer a sua obrigação, prometeu defender os interesses de Coimbra e está a cumprir...há por aí uns lisboetas que deviam co-incenerar o lixo que fazem em Alhandra...essa coisa não faz mal a ninguém...viva os políticos locais honestos, abaixo os políticos nacionais de m...

9:42 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Digo, co-incinerar.

9:46 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

aquele post do Piolho da Solum está bem esgalhado. Subscrevo tudo o que lá é afirmado

2:29 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Cá está um post na linha do zé socras que nos governa. Presumo que estamos perante um discípulo de tão horrenda criatura. Limita-se a declarar sentença, não argumenta, decreta. Isto é o grau zero da fundamentação. Seria bom que o escrevinhador destas linhas respondesse, por exemplo, a esta simples questão: dando de barato que a co-incineração é o processo mais correcto para tratar resíduos industriais perigosos (o que é altamente discutível), gostaria de saber qual o argumento técnico que justifica o seu «tratamento» em Coimbra? Porque não em perto de Lisboa, uma vez que é aí que a maior parte deles são produzidos, evitando-se, assim, que andem por aí em alegre circulação? Porque não uma solução de co-incineração de raiz num local afastado de populações (solução, de resto, que já tinha sido negociada e acordada pelo cavaco primeiro ministro, mas que estes pê-esses logo trataram de cancelar)? Porque não uma solução rotativa - há mais cimenteiras no país, porque é que só uma é que leva com o lixo (perigoso)dos outros?
E, finalmente,porque não adoptar outras soluções alternativas à co-incineração - desde os relatórios de uma pseudo comissão «científica» feitos há já não sei quantos anos até hoje, a situação evoluiu muito? As organizações ecológicas estão contra esta pseudo-solução e propõe outras - faça um bocado de trabalho de casa e cosulte os sites...
A única razão para se avançar com a co-incineração é óbvia: manter a imagem de duro, de homem-fazedor da nulidade que nos governa, o tal socras, um carreirista político que nunca na vida se distinguiu nem profissional nem academicamente.
Em suma, posts como estes definem os seus autores: são os chamados caga-tacos, debitadores de sentenças a granel. Infelizmente é esta estirpe de gente que, presentemente, nos governa. Pobre Portugal que vota em gente desta.
Sitting Bull

12:52 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

esqueci-me. O meu blog é www.tapornumporco.blogspot.com. Sempre às ordens.
Sitting Bull

12:53 da tarde  
Anonymous Índio Jerónimo said...

a medida do Encarnação é ridicula de facto, e com toda a probabilidade, ineficaz. há demasiada gula na costa para arrepiarem caminho. e esta posta vai por aí também, pelo ridiculo.

eu por mim defendo a incineração dedicada do resto dos RIP que não puderem ser reciclados. O Cavaco deixou isso estudado, projectado e orçamentado para Estarreja, o Guterres revogou.

Vai daí as cimenteiras com o olho nos óleos usados e nos solventes (cerca de 50% dos RIP) de elevado valor energético propuseram que a melhor solução era a co-incineração em Alhandra e em Outão até porque quase 40% da merdunça a queimar vem de Sines, Setúbal, Seixal e Barreiro.

O Sócrates e a CCI entram ao barulho e desaparece Alhandra para aparecer Souselas. Supostamente pela falta de filtros de mangas. Hoje todas as cimenteiras têm tais filtros e qualquer diferença de déficit ambiental entre uma e outra verifica-se apenas pelo maior ou menor nucleo populacional à sua volta.

Entretanto Durão cria os CIRVER, e abrem fábricas de reciclagem de óleos usados e de solventes. as cimenteiras saem fora da carroça. sem os óleos usados e sem os solventes interessa-lhes tanto a queima de RIP como a apanha da ameixa.

a fábrica de reciclagem de solventes está a funcionar, mas a fábrica regeneradora de óleos usados de pombal ardeu agora há pouco e uma nova aguarda há 5 meses que o Socrates diga sim.

o socrates agora alicia as cimenteiras com a queima de RIP incluindo os óleos usados e os solventes. as cimenteiras agradecem e o resto do país não coimbrão também.

eu como coimbrão também não me desagrada a queima de RIP, só acho é que coisa devia ser queimada no Outão e em Alhandra também, sim naquela mesmo ao lado da A1. e isto por duas razões, a primeira é negativa já que não gosto de ser indio e a segunda é que sempre gostava de ver a câmara de vila franca de xira a cortar a A1 como já prometeu se o socrates sequer pensasse nisso.

mas se quiserem também podem queimar em Souselas, desde que o façam também em Alhandra. Ou então que paguem bem a esta cidade esquecida. a Cimpor que tem aqui a fábrica onde produz mais de 70% dos seus cimentos nem sequer aqui paga IRC, já que a sua sede é em Lisboa. eu fico fodido é de ser índio.

10:24 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Regista-se o estilo cagufa do autor do post. Manda postas de pescada inanes, mas vir aqui defender o seu posto de vista, tá quieto... É o estilinho rato de esgoto que manda a boquita pá confusão e depois não tem coragem para vir aqui assumir o que escreve. É triste!

2:05 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Concordo plenamente com o António Ribeiro Ferreira na sua afirmação: "O ridículo não mata mesmo!"
Razão pela qual ele, António Ribeiro Ferreira, está bem vivo...

5:45 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home