segunda-feira, outubro 16, 2006

Palhaçadas I

Os actores de um obscuro grupo de teatro, subsidiado pelo Estado, e meia dúzia de espectadores decidiram ocupar um dos auditórios do Rivoli. Não querem que a Câmara do Porto faça a concessão do espaço a uma entidade privada. A ministra da Cultura, que quando abre a boca é para dizer asneiras - nem as moscas querem entrar naquela boca -, ofereceu-se para mediar o assunto e atirou um conjunto de baboseiras sobre a matéria. Mas a palhaçada que ainda dura já deu os seus resultados: o tal obscuro grupo de teatro já teve o seu momento de glória: nunca teve tantos espectadores a assistir às suas palhaçadas pagas pelos contribuintes.

2 Comments:

Anonymous «Liblog» said...

É... infelizmente, espectáculos destes têm sempre casa cheia... que rídiculo!...

10:58 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

É inacreditável a bravura de que as pessoas chegam a estar convencidas sobre os seus actos! À falta de motivos de entusiasmo, o histrionismo, que já não é só fenómeno psíquico feminino, pretende resgatar o sentido medíocre com que artistas vazios - e não esvaziados - se mostram inconformados, face às suas próprias acções. Que vem a ser esta cultura apregoada por adultos bem criados, filhos de boa gente, mas atrabiliários à falta desse Pai, que controla, impõe, educa (no sentido de "educare", e não tanto do hoje em dia preferível "educere")? É gente que lê, mas não entende, nem tão pouco se expressa; gente que lê Beckett ou Rilke, para fechar o livro e não ser capaz de articular uma oração com respeito sintáctico; gente que tem poucos recursos da inteligência, que é auxiliadora do uso que se dá à cultura - doutra forma, de pouco ela nos serve. Estes exemplos de rebeldia malograda, são casos ímpares do distanciamento ao povo, a quem contudo recorrem, como se de um princípio moral se tratasse. A Dr.ª Isabel Pires de Lima deve reunir-se com eles: para repetir que a decisão se mantém inalterável. Jejuns dos que assistimos ao Rivoli, só mesmo em países em vias de desenvolvimento, como Portugal - um país onde alguns ainda julgam que protagonizar a miséria, adestrando-a ao drama, é a representação mais cómoda da desgraça. Gosto do povo português, especialmente do seu distanciamento às causas inúteis.

12:04 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home